Investigação, construção de conhecimento e práticas profissionais

Com o ano de 2020 assistimos à introdução de um novo (ou recuperado) léxico no domínio público, polarizado por um vocabulário ligado à saúde pública: pandemia, confinamento, surto, onda, imunidade… Nunca, como no presente, a Ciência foi simultaneamente tão relevante e tão questionável. Os tempos que vivemos são assim de controvérsia, dúvida, interrogação: “que lugar ocupa (…) nas nossas vidas, o contacto com a ciência? Como a lemos, interpretamos, construímos e mobilizamos para as nossas práticas de vida e para as práticas profissionais? É este o mote do Seminário Dar asas ao saber – Investigação, construção de saberes e práticas profissionais, a decorrer na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, nos dias 5 e 6 de março de 2021.

Com este seminário, o primeiro de um conjunto, de periodicidade anual, procura-se conferir visibilidade a projetos de investigação (processos, metodologias e resultados), testemunhos e experiências desenvolvidos quer por investigadores em linhas de trabalho próprias de centros de investigação, quer construídos por profissionais no terreno no decurso de processos formativos associados ao exercício de variadas profissões. Em alguns casos, haverá mesmo confluência destes diferentes olhares, como acontece, com alguma frequência, em práticas de investigação associadas a instituições de ensino superior.

De ora em diante, o seminário Dar asas ao saber – Investigação, construção de saberes e práticas profissionais pretende constituir um fórum de promoção e discussão da investigação, dinamizado pelo Centro de Investigação em Educação e Formação (CIEF-IPS), colocando em diálogo diferentes mundos, distintas gerações, investigadores com graus de experiência variados e áreas de saber distintas. Como é próprio dos fóruns, inclui, no seu programa, a possibilidade de apresentação de comunicações livres subordinadas, em cada edição, a determinadas linhas temáticas. A edição de 2020-21 contempla um conjunto de quatro, procurando, em cada uma delas, se possível, considerar novas questões e desafios colocados pela circunstância que vivemos.